Município diz não ter condições de ofertar 6,81% de reajuste a professores
14/05/2018 22:42 em CONCURSO E EDUCAÇÃO

Os professores da rede municipal de Educação de Maceió podem entrar em greve no próximo dia 21, quando uma nova assembleia geral vai definir os rumos do movimento que busca reajuste de 6,81% e melhores condições de trabalho. Entre os servidores, a possibilidade de paralisação é iminente, já que, nesta segunda-feira (14), o secretário de Gestão Pública, Reinaldo Braga, afirmou a impossibilidade de a Prefeitura conceder o reajuste pleiteado.

Braga participou, nesta tarde, de reunião que contou com a presença de integrantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas (Sinteal) e dos secretários Felipe Mamede (Recursos Humanos e Patrimônio) e Ana Dayse Dória (Educação).

 

"Estamos cientes da reivindicação dos servidores, mas, hoje, não podemos firmar um reajuste. No entanto, a mesa de negociação está aberta, para que possamos discutir outros pontos da pauta", ressaltou o secretário, acrescentando que o Município tem trabalhado para garantir a convocação de concursados e o pagamento de anuênios, além das progressões por mérito e titulação.

Outra medida, reforça ele, diz respeito à anulação de descontos indevidos contra trabalhadores afastados por problemas de saúde.

Na oportunidade, a vice-presidente do Sinteal, Célia Capistrano, pediu que a Prefeitura "deixe de enxergar a Educação como gasto". "Tem de parar com isso. Todo mundo sabe que é investimento. Estamos cansados de ouvir que tudo vai ser resolvido. Vamos dizer à categoria que a Prefeitura quer, mais uma vez, dar zero por cento de reajuste. Que valorização é esta?", indagou a sindicalista, destacando também a assembleia marcada para as 21h do próximo dia 21, no Clube Fênix Alagoano, em Jaraguá. 

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE