Hospital de Emergência do Agreste suspende cirurgias por falta de roupa limpa
07/06/2018 13:36 em Ciência e Saúde

m mais um dia de fiscalização em Alagoas, a Força Nacional de Fiscalização do Sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem (FNFIS), encontrou diversas irregularidades em hospitais de Arapiraca. Entre elas, ausência de enfermeiros, pessoas exercendo atividades para os quais não são habilitados e falta de roupas limpas, que chegaram até a suspender cirurgias. 

Nenhuma instituição em Arapiraca tinha enfermeiro Responsável Técnico (RT) pelo serviço de Enfermagem.

 

A chefe da Divisão de Fiscalização do Cofen, Michely Filete, afirma que o exercício ilegal da profissão de enfermeiro é uma situação grave e que põe em risco a vida dos pacientes.

"Essa situação, provocada pelo subdimensionamento, é gravíssima. Há profissionais de Enfermagem atuando até em atos cirúrgicos, o que coloca em risco a vida dos pacientes".

A Maternidade Nossa Senhora de Fátima recebeu sete notificações por irregularidades na instituição. Os fiscais detectaram a ausência de enfermeiros na unidade, principalmente no período noturno.

"A ausência de enfermeiros, especialmente no serviço noturno, também indica que técnicos e auxiliares estão acompanhando sozinhos partos normais na Maternidade Nossa Senhora de Fátima. É risco inadmissível para a mãe e o bebê", afirma. 

Já no Hospital Afra Barbosa, foram encontradas pessoas sem registro atuando na enfermagem. Em finais de semana, feriados e no período noturno, há somente um enfermeiro atuando em todo o hospital. A institução recebeu 13 notificações.

Conforme a Lei 7498/86, o "acompanhamento da evolução e do trabalho de parto" e "execução do parto sem distocia" são prerrogativas do enfermeiro, profissional graduado. 

No Hospital de Emergência do Agreste Dr. Daniel Houly, onde foram notificadas 12 irregularidades, cirurgias tiveram que ser suspensas por falta de roupa limpa, já que o serviço é feito em Maceió.

O Centro Hospitalar Manoel André Chama recebeu 12 notificações. Lá, foi encontrado medicamento vencido na UTI pediátrica. A instituição enfrenta, ainda, severo subdimensionamento profissional. "O déficit de técnicos de Enfermagem é gritante", afirma Michely.

A fiscalização em Arapiraca integra a megaoperação realizada pela FNFIS na capital e agreste do estado. A presença da Força Nacional foi solicitada pelo Coren-AL, parceiro da operação. As denúncias de irregularidades, especialmente na assistência materno-infantil, motivaram a operação, que vai fiscalizar 12 instituições de grande porte na capital e agreste alagoano.

Os hospitais têm de 15 a 180 dias para se regularizar.

O SITE entrou em contato com a assessoria do Hospital de Emergências do Agreste e aguarda um posicionamento.

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE