Absolvido em processos no CNJ, Washington Luiz volta ao Tribunal de Justiça
03/07/2018 17:41 em MACEIÓ ALAGOAS

desembargador Washington Luiz reassumiu suas funções no Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) na manhã desta terça-feira (3), durante sessão do pleno realizada pela corte. Ele estava afastado há dois anos por determinação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), onde respondia a três processos, nos quais foi julgado e absolvido.

O magistrado se pronunciou durante a sessão e, citando a Bíblia, lembrou o livro de Eclesiastes, onde se fala em "tempo de nascer e morrer", "de plantar e colher" e "de guerra e de paz". Ele culpou uma reportagem exibida nacionalmente, classificada pelo próprio como "denuncista", pela decisão tomada por parte do CNJ.

 

O desembargador falou também sobre os crimes atribuídos a ele. "Me impingiam os crimes de assassinatos sempre da mesma forma. As vítimas eram sequestradas e queimadas vivas. Gestos de perversidade que seriam cometidos por mim. Esses denunciantes acharam pouco as denúncias perante o CNJ e foram à Polícia Federal".

De acordo com ele, as denúncias teriam sido feitas por duas pessoas. Inicialmente seriam 30 delas, a maioria arquivadas - nove, porém, se transformaram em sindicâncias que evoluíram. Destas, três foram à frente, duas sobre a proteção de prefeitos alagoanos e outra envolvendo a contratação irregular de merenda pelo Município de Maceió.

"Muitas das denúncias eram muito bem feitas, parecendo ser de algum operador do Direito. Isso me fez crer que esses denunciantes prestavam serviços a alguém", apontou ele, acrescentando ter passado por um "calvário". "Não desejo aos meus inimigos passar pelas situações que passei na vida", apontou.

 

Na companhia dos colegas, ele agradeceu apoio recebido

FOTO: JOSÉ FEITOSA

Washington Luiz ressaltou ainda ter recorrido à religião para distinguir os "amigos de fé e do poder" e disse ter se dedicado a leituras bíblicas durante o tempo em que esteve afastado. Afirmando ter sua vida pública "completamente revirada", com a quebra dos sigilos telefônico e bancário, ele chegou a citar uma oração no pleno do Tribunal. 

 

"Após dois anos afastado das funções retorno neste momento ao pleno exercício agradecido a todos que me acompanharam, mas especialmente grato a Deus todo poderoso por esta graça", destacou ele, acrescentando uma promessa inusitada: um amigo vai de bicicleta de Delmiro a Juazeiro do Norte para agradecer a volta dele.

O desembargador aproveitou o momento para lembrar os projetos tocados por ele enquanto presidente do TJ. Em seu discurso, ele citou o pagamento de mais de R$ 260 milhões em precatórios, a mediação na nomeação de 150 professores, a digitalização dos processos administrativos e a implantação do auxílio-saúde para os servidores do órgão.

Atual presidente do Tribunal, o desembargador Otávio Praxedes comemorou a volta do colega. "Acredito que esse seja um sentimento de todos os pares. O sofrimento dele foi sentido por todos os desembargadores e o resultado foi importante não só para ele como para o TJ. Houve justiça em relação à vossa excelência", apontou ele.

 

Fernando Tourinho classificou o dia como emblemático. "É um dia emblemático para a história do Tribunal de Justiça de Alagoas. Hoje é um dia de festa. Vossa excelência fez história porque sempre procurou somar. Vossa excelência é um gigante, um companheiro que soma pela sua peculiar liderança".

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE