"Novo Puyol", Umtiti se agiganta, salva Giroud e leva França à final
10/07/2018 - 17h35 em ESPORTES

 

Ele nasceu em Camarões, tem 1,83m de altura, mas se agigantou para levar a França à final da Copa do Mundo na Rússia. O zagueiro Umtiti saiu como herói da classificação ao marcar de cabeça, completando cobrança de escanteio, o gol da vitória de 1 a 0 sobre a Bélgica na semifinal em São Petersburgo. O camisa 5 superou a marcação de Fellaini, de 1,94m, para vencer o também grandalhão Courtois, de 1,99m. Um gol histórico, que lhe rendeu o prêmio de melhor jogador da partida em eleição da Fifa.

 

Gol de quem chegou ao Barcelona em 2016 como promessa, contratado do Lyon (FRA), e se firmou como um dos grandes zagueiros do futebol mundial. A velocidade e firmeza na defesa renderam elogios de atletas brasileiros com quem atuou e um apelido de responsabilidade. No Barça, era chamado por Neymar e Rafinha, hoje na Inter de Milão (ITA), de "novo Puyol", alusão ao ex-zagueiro espanhol, um dos maiores ídolos da história do clube catalão e da seleção espanhola, campeão do mundo em 2010.

 

França 1x0 Bélgica

Confira os melhores momentos da partida pelas semifinais da Copa de 2018

 

Aos 24 anos, Umtiti tem trajetória recente na França. Estreou apenas em 2016, nas quartas de final da Eurocopa contra a Islândia em casa. Desde então, foram 24 jogos e três gols, somado o desta Copa. Nada mal. Além de levar o país que escolheu para viver, já que é naturalizado, à terceira final de Copa, compensou a falta de efetividade de quem deveria ser o responsável pelos gols: o centroavante Giroud.

Mais uma vez, o atacante do Chelsea (ING) passou a partida sem acertar um chute sequer ao gol de Courtois. Ainda não marcou nem acertou a meta nesta Copa do Mundo. Mas tem sido bancado pelo treinador Didier Deschamps e só foi substituído aos 39 minutos do segundo tempo por N'Zonzi. Contou com a ajuda do colega e defensor. A França já viu esse filme. 

Em 1998, quando foi campeã em casa, a seleção também contou com o brilho de um defensor nas semifinais. Na vitória por 2 a 1 sobre a Croácia, o lateral-direito e zagueiro Lilian Thuram anotou os dois gols, salvando os atacantes que também eram questionados. A França tinha o jovem Thierry Henry, na época com 21 anos, no banco, mas os centroavantes eram os limitados Dugarry e Guivarc'h. 

Umtiti é da leva de jogadores nascidos na África, mas que se naturalizaram franceses e hoje disputam uma final de Copa do Mundo. Coisa de gente grande. Coisa de gigante.

COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE